Login

E-mail:

Senha:


Cadastre-se.

Lembrar senha.

Buscas no Site

» Rimas

Selecione o tipo: Palavra Terminação

Digite o termo:


» Poesias

Selecione a seção: Coletânea Galeria

Digite a palavra:


GALERIA

Neste espaço você pode publicar gratuitamente as suas obras (poemas, poesias, sonetos, versos, etc). Para isso, basta clicar no link abaixo. Antes, porém, leia as condições para publicação do site.

» Publicar Obra «

As obras serão listadas por: Ordem de Cadastro, Título e Autor.


Inveja
(Poeta Maldito)

Eu sinto inveja dos mortos
Que não precisam sofrer
Muito menos esconder
A dor em sorrisos tortos
Já não há vida nos corpos
Não há lastimas na alma
E já não há dor na calma
No frio da sepultura
Sem amor nem amargura
E nem destinos na palma

Eu sinto inveja do louco
Suspiro de um moribundo
Que já se encontra no fundo
A existência é pouco
Para lembrar do rouco
Grito do seu sofrimento
Por um único momento
De alegria nessa vida
Para fechar a ferida
A morte, o agradecimento

Eu sinto inveja de quem
Não soube temer a morte
Ou por um golpe de sorte
Nunca sofreu por alguém
Quem nunca teve ninguém
Pra partir o coração
E nunca pediu perdão
Por um dia ter sofrido
Ou a esperança ter perdido
Como se perde a ilusão

Eu sinto inveja do tolo
Que ainda acredita em deus
E que assim como os seus
Quer a fatia do bolo
E não somente o miolo
Que já lhe foi prometido
Apesar de ter mentido
Sobre a sua salvação
Logica da criação
Do seu amor, que é fingido

Eu sinto inveja daquela
Triste morte do poeta
Dessa morte que contesta
Deus e sua capela
Que fecha a sua janela
E ri, da cara do amor
E prova que sua dor
Maior do que sua vida
Não pode ser escondida
Na cara de seu agressor

Enviar para alguém.

Indique este Site

Você gostou do site e quer indicá-lo para um(a) amigo(a)?

Então, clique aqui.


Meus Livros

Livros publicados (clique na capa para maiores detalhes):